sexta-feira, 22 de agosto de 2014

PREFEITURA DE LAURO DE FREITAS É NOTIFICADA PARA AJUSTAR ÍNDICE DE PESSOAL


O prefeito de Lauro de Freitas, Márcio Paiva (PP), terá que enfrentar um desafio nos próximos meses. Isso porque, contrário às ações propostas e executadas em sua gestão, Paiva se vê agora diante de uma exigência do Tribual de Contas dos Municípios (TCM), que com base na Lei de Responsabilidade Fiscal, exige que o prefeito enquadre a folha de pessoal.

Fontes ligadas ao site afirmam que, na tarde desta quinta-feira (21), a controladoria do município foi notificada pelo TCM, em caráter de urgência e com base nos artigos 19 a 22 da Lei de Responsabiliade Fiscal, na qual prevê que o quadro de pessoal seja reduzido com base nos 54% que são permitidos. No caso de Lauro de Freitas, este valor está excedido, o que incha a folha da cidade da Região Metropolitana de Salvador (RMS).



A reportagem entrou em contato com o prefeito Márcio Paiva que confirmou a informação. Segundo ele, a preocupação imediata é de enquadramento desta folha e, não em redução da mesma. Entretanto, o gestor mostrou-se preocupado diante do não cumprimento da Lei. "As contas do município podem ser rejeitadas e os técnicos do TCM já nos alertaram para o equilíbrio nestes índices de pessoal para que em 2014 estes números estejam dentro da legalidade", afirmou, ressaltando que as exigências estão dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Quando questionado o porque da folha do município possuir índices acima dos exigidos por Lei, Paiva reforçou que "isso vem acontecendo nos últimos seis anos porque existem programas federais onde a responsabilidade de contratação é do município, o que faz com que aumente nosso quadro, nosso índice de pessoal", explicou. Ainda conforme o pepista, "estes programas aumentaram sem estrutura para manter este tipo de situação, já que temos uma Lei de Responsabilidade Fiscal que nos rege. Este é um problema histórico e piorou devido ao aumento de convênios federais desorganizados. Farei o possível para segurar o quadro atual, mas sei que a lei precisa ser respeitada", concluiu.

Lei de Responsabilidade Fiscal

A Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000, também conhecida Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), tem como objetivo regular o disposto nos artigos 163 a 169 da Constituição Federal de l988 (CF/88), que dispõe sobre os princípios básicos fundamentais para uma ação planejada e eficaz, relativa às normas gerais de finanças públicas. A limitação das despesas com pessoal na gestão pública é um assunto que vem contribuir para o equilíbrio das contas públicas e aumentar a responsabilidade do gestor que passará a seguir limites e regras claras para conseguir administrar as finanças de maneira transparente. Um dos aspectos importantes que gera debate entre acadêmicos e estudiosos, entre estes os da área contábil, é a fixação dos limites para as despesas com pessoal, tendo em vista que é um dos dispositivos legais configurados na LRF, que objetiva demonstrar quanto os entes públicos estão autorizados a gastar com os ativos, os inativos e os pensionistas. A LRF veio estabelecer normas de orientação das finanças públicas, instituindo, também, punições para maus gestores, reprimindo exageros como a extrapolação dos limites da despesa com pessoal, sendo um dos principais itens da despesa nos entes federados, comprometendo, assim, a maior parte da receita

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

FAMÍLIA SEM ÁGUA FAZ PROTESTO COM "DESAFIO DO BALDE DE GELO"

"Balde com água aqui em São Paulo é riqueza, é ostentação". Moradores satirizam viral da internet ao usar baldes e canecas vazios

Em São Paulo, a população foi quem recebeu um “balde de água fria” há alguns meses, desta vez no sentido figurado, e nem pôde participar da campanha do ‘balde com gelo’ porque o estado não dispõe do item principal do desafio.
Insatisfeitos, alguns paulistas resolveram chutar o balde e fizeram um protesto super bem humorado, gravando um vídeo onde mostram que o item agora é símbolo de riqueza e ostentação.
Com canos secos há tempos, a população de São Paulo sofre até hoje com o racionamento por conta da falta de planejamento da Companhia de Saneamento Básico do Estado (Sabesp) e da irresponsabilidade do governo do Estado.
A região enfrenta uma estiagem sem precedentes e sem prazo definido para terminar, com proporção tamanha que qualquer obra emergencial para resolver o problema demoraria um tempo inestimável para ser concluída.

A campanha

O desafio do balde de gelo, campanha que viralizou na internet nos últimos dias, mobilizou mais de 28 milhões de usuários de uma rede social. Também foram registrados mais de 2,4 milhões de vídeos compartilhados nesse período. Para propagar a iniciativa, as pessoas filmavam o desafio sendo completado. Chamada de “ALS Ice Bucket Challenge”, a campanha visa chamar atenção para a esclerose lateral amiotrófica (ELA), mal degenerativo também conhecido como doença de Lou Gehrig.

A doença

A ELA é uma doença degenerativa do sistema nervoso que não apresenta cura e tem quadro irreversível. Felizmente, é uma enfermidade pouco comum: afeta 1,5 em cada 100 mil pessoas.
A degeneração dos neurônios motores no cérebro e na medula espinhal limitam os movimentos de pés, mãos e músculos usados para deglutir, falar e respirar. Em estágios mais avançados, pode até paralisar os olhos. Além disso, não há, atualmente, um tratamento capaz de retardar ou barrar completamente o avanço da doença.
Tudo começa pelos sinais de fraqueza muscular, como quedas e perda brusca da força e da velocidade. Outros sintomas são tremores musculares, cãibras, reflexos exaltados, atrofia e diminuição da sensibilidade. A fala enrolada e lenta também é comum. Mas o diagnóstico é demorado: como a doença ainda é pouco conhecida por aqui, há muitos que morrem sem saber que têm a enfermidade.

VEREADORA MIRELA PROCESSA BLOGUEIRO LADISLAU LEAL "LAU"

Veja o que Lau escreveu hoje no seu blog:

Mirela e seu advogado
Hoje é dia de mais uma audiência no Juizado Especial Criminal na qual  o blogueiro é réu em uma ação movida pela deputada estadual que terá mais votos em Lauro City que Moema Gramacho, segundo JP, o homem da PERFIL ESTATÍSTICA. Mirela Macedo acusa o blogueiro de lhe injuriar, caluniar e difamar no BLOG do LAU  através de seus ' anônimos '. Como na vida não há almoço grátis, vamos à luta e seja lá o que Deus, ou o diabo, quiser. Vida que segue.

Por Ladislau Leal

ANTES DE ESCOLHER O SEU DEPUTADO ESTADUAL, PROCURE SABER O QUE ELE JÁ FEZ!!! ROSALVO 45.333 FEZ E FARÁ MUITO MAIS

Rosalvo viabilizou o projeto de HABITAÇÃO POPULAR em Jambeiro – “Esse é o meu deputado, ele ajudou a realizar o sonho da casa própria” – Maria Valentina, moradora do conjunto habitacional.


Rosalvo acompanhou de perto as obras 


O Conjunto Habitacional Adélia do Prado Franco, localizado no bairro do Jambeiro, contou com a sensibilidade de Rosalvo para viabilização do projeto na localidade.  




1467 famílias beneficiadas e Antônio Rosalvo foi importante neste processo. O deputado conseguiu intermediar uma área de 400 mil m2, “mostramos para a comunidade que valia apena vender com preços menores por conta do crescimento e da valorização do bairro”, explicou o deputado.

O Conjunto Habitacional modernizou o bairro  

O bairro do Jambeiro foi valorizado, “o empreendimento aumentou a possibilidade real de melhoria urbana na nossa comunidade”, defendeu Rosalvo ao lado de lideranças que afirmaram: "o Conjunto Habitacional foi importante para a valorização imobiliária e comercial de Jambeiro", reconhecem.      


SEM PATROCÍNIO, FILME SOBRE VIDA DA PRESIDENCIÁVEL MARINA SILVA É ADIADO

A história da ex-senadora Marina Silva (PSB) vai demorar a ocupar as telas do cinema. A cineasta Sandra Werneck, codiretora de filmes como Cazuza, anunciou que o filme que contaria a trajetória de Marina antes de sua atividade política foi adiado por falta de patrocínio. A produção, cujas filmagens começariam em 2012, não conseguiu arrecadar nenhum centavo. A decisão para o adiamento da produção também foi justificada pelo ano eleitoral.
“Acho que a dificuldade é porque a Marina é oposição e acho que o empresariado, de alguma maneira, ficou reticente”, disse a cineasta ao jornal Folha de S. Paulo. O custo estimado do filme era de R$ 6 milhões, porém, este valor atualmente estaria bem maior. Werneck afirmou que a produção procurou várias empresas, inclusive a Natura, cujo sócio Guilherme Leal foi candidato a vice-presidente na chapa de Marina Silva em 2010.
A diretora afirmou que entrou em contato com a ex-senadora para comunicar que a realização do filme seria adiada e que Marina foi “incrivelmente generosa”. Ainda não há previsão para o retorno da produção. “Eu continuo apaixonada pela história de vida dela”, expôs a cineasta, que disse não ter desistido do filme, que tem roteiro de Anna Muylaert.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Com camisa do Bahia em mãos, Eduardo Campos destacava "primeiro campeão brasileiro"; veja

Candidata ao governo da Bahia, Lídice da Mata (PSB) divulgou, nesta quarta-feira (20), um vídeo no qual Eduardo Campos recebe uma camisa do Bahia de presente e destaca o "primeiro campeão brasileiro". A senadora baiana explicou, em postagem no Facebook, que o uniforme retrô de 1959 foi dado para o candidato à presidência, morto em acidente aéreo no último dia 13, no Dia dos Pais, quando ele também comemorava aniversário de 49 anos.
Presente foi dado ao candidato à presidência, morto em acidente aéreo, no seu aniversário de 49 anos

"O último aniversário de Eduardo Campos coincidiu com o Dia dos Pais, dia 10 de agosto. Escolhi um presente especial, uma camisa do meu time, aquela tricolor listrada usada pelo Esporte Clube Bahia quando conquistou o primeiro título de Campeão Brasileiro, em 1959. Para minha surpresa, ele gravou um agradecimento, no seu estilo: bem-humorado, animado e generoso. Uma lembrança que vai ficar para sempre no corações de todos os baianos. NãoVamosDesistirDoBrasil #BBMP", escreveu a candidata. Eduardo Campos era torcedor do Náutico.

Veja o vídeo clicando no link abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=uaCPpHdzL-U

Peças de publicidade eleitoral aparecem em equipamentos de governos

Peças de publicidade eleitoral aparecem em equipamentos de governos

Um leitor flagrou placas de candidatos das chapas proporcionais em locais considerados irregulares, em Salvador. Isso porque os materiais estão instalados em equipamentos e locais de propriedade, se não pública, gerida pelos governos estadual e municipal. Peças publicitárias dos correligionários Edson Pimenta (PSD), deputado federal, e Mirela (PSD), candidata a deputada estadual, estariam posicionadas em muro de uma caixa d’água localizada na Rua do Oriente, no Alto do Peru, em São Caetano. Já um banner do vereador e aspirante a uma vaga na Câmara Federal, Joceval Rodrigues (PPS), foi colocado em um veículo utilizado para o recapeamento asfáltico pela prefeitura de Salvador. Contudo, a foto exibe cartaz de campanha antiga do candidato, em sua corrida eleitoral para a vaga de vereador. "Boicote incompetente", classificou. A foto foi tirada no bairro da Boca do Rio. Contatado pelo Bahia Notícias, Joceval ficou surpreso e, ao mesmo tempo, revoltado ao saber de sua peça no equipamento. “Não é nem da minha área, mas sim de Toinho Carolino (PTN)”, defende-se o vereador da capital baiana. "Essa é um tentativa de prejudicar a minha imagem, uma demonstração clara de incompetência", concluiu. Os partidários do PSD foram procurados pela reportagem, mas não foram localizados. 

Irmão de Campos quer ser candidato em próximas eleições

Irmão de Campos quer ser candidato em próximas eleições

O advogado Antônio Ricardo Acciolly Campos, irmão do candidato do PSB, Eduardo Campos - morto em acidente aéreo na quarta-feira passada em Santos -, vai entrar para a política. Aos 46 anos, Tonca, como é conhecido o mais novo dos dois filhos da ministra do Tribunal de Contas da União (TCU) Ana Arraes, decidiu que vai deixar os bastidores da política e a área jurídica das campanhas da família para virar um dos protagonistas nas futuras disputas eleitorais em Pernambuco. "Devo entrar para a política. Não agora, não é a hora", afirmou Antônio. "Agora não vou ser candidato, minha missão neste momento é preservar o legado de Eduardo Campos e de Miguel Arraes." Com o irmão vivo, Antônio nunca saiu candidato nem teve atuação de liderança política dentro do PSB nem na Frente Popular. Mas sempre atuou como conselheiro e advogado das campanhas. Ele é filiado ao PSB, como toda família Campos. Próximo da viúva Renata Campos, de 47 anos, Antônio ainda vai definir se sai candidato nas eleições municipais de 2016 ou se espera 2018 para sair como deputado. Com o vácuo político deixado pelo irmão em Pernambuco, Tonca quer maior destaque no cenário local, sem prejudicar os planos da viúva - que terá papel importante na disputa presidencial - e do sobrinho mais velho, João Henrique, de 20 anos, que também se prepara para assumir o posto de herdeiro do espólio político deixado por Campos. Antônio também vai assumir os trabalhos de representar os interesses da família na Frente Popular, em Pernambuco, que tenta eleger o candidato Paulo Câmara (PSB) a governador. Será ele um dos responsáveis por tratar com os demais partidos da coligação, 21 ao todo, incluindo antigos adversários da família que viraram aliados. Além de advogado ligado à política de berço, Tonca é escritor e ativista cultural. Escreveu obras dos mais variados estilos. Dono de uma editora (a Carpe Diem), ele também é curador da Feira Literária Internacional de Pernambuco (Fliporto). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PSB oficializa em nota chapa Marina-Beto Albuquerque

PSB oficializa em nota chapa Marina-Beto Albuquerque

Em nota divulgada na noite desta terça-feira (19), o PSB confirmou a indicação do líder da bancada na Câmara dos Deputados, Beto Albuquerque (RS), para compor a chapa presidencial que será liderada pela ex-senadora Marina Silva. No documento, assinado pelo presidente da sigla, Roberto Amaral, o partido informa que a chapa será sacramentada em reunião da Executiva Nacional nesta quarta (19), às 15h, em sua sede, em Brasília. Amaral disse que a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, foi consultada sobre a possibilidade de ser a vice de Marina Silva, mas ela declinou do convite porque além de ter "compromissos familiares", ela precisa dedicar seus primeiros esforços para eleger Paulo Câmara ao governo de Pernambuco. Segundo a nota, a vitória de Câmara era um sonho que Eduardo "sempre sonhou". O presidente da sigla esteve reunido durante todo o dia em Recife com dirigentes do PSB pernambucano e hoje ouviu a cúpula do partido sobre a composição da candidatura.

Imagens mostram pela 1ª vez a queda do avião que matou Eduardo Campos

As imagens divulgadas anteriormente de outro edifício 
Imagens capturadas pelo sistema de monitoramento de segurança de um prédio em construção em Santos, divulgadas pela TV Tribuna nesta terça-feira (19), mostram o momento exato da queda do avião que matou o candidato Eduardo Campos e outras seis pessoas no dia 13 de agosto.
As imagens foram registradas em horário diferente do momento em que ocorreu o acidente, e, por isso, foram divulgadas apenas nesta terça. O vídeo mostra o avião caindo rapidamente e, em seguida, uma nuvem preta surge por trás de um edifício.
As imagens divulgadas anteriormente de outro edifício mostravam apenas o clarão resultado da explosão da queda.

Assista ao vídeo:

Acidente

Aeronave decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao aeroporto de Guarujá, no litoral paulista. Quando se preparava para pouso, o avião arremeteu devido ao mau tempo.


Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com a aeronave. O bimotor atingiu dez edifícios. A Aeronáutica já iniciou as investigações para apurar os fatores que possam ter contribuído para o acidente.  

terça-feira, 19 de agosto de 2014

SARAUS PAPOS POÉTICOS SERÁ APRESENTADO EM LAURO DE FREITAS DIAS 30 E 31 DE AGOSTO

ENTRADA FRANCA


ROSALVO DEP. ESTADUAL 45.333 COMPROVA QUE FAZ

ROSALVO 45.333 É O DEPUTADO ESTADUAL DO VEREADOR DECINHO


Decinho está apoiando o jovem e carismático candidato a deputado de Lauro de Freitas. “Rosalvo é um amigo e um parlamentar exemplar de nossa cidade. A comunidade deseja mudança e agora é a hora de escolher. O meu voto é declarado, eu sou 45333”, fez questão de avisar o vereador Decinho.

O futuro deputado de Lauro de Freitas montou seu time, a população está exigente em busca de renovação e Rosalvo segue representando está mudança. 


Rosalvo vem galgando prestígio ao lado de ACM Neto e Paulo Souto, a chapa esquentou, pois, Souto lidera todas as pesquisas e prometeu que durante a campanha ele e Neto vão marchar com Rosalvo em Lauro de Freitas.   

GOVERNO UNIDO NA CANDIDATURA DE ROSALVO: "O SEGREDO DO SUCESSO ESTÁ NO TRABALHO EM EQUIPE" - ROSALVO 45.333 DEP. ESTADUAL

Bebel também reconhece Rosalvo como candidato 100% de Lauro de Freitas 

Rosalvo confirmou a relação de parceria mútua entre ele e o vice-prefeito de Lauro de Freitas, Bebel Carvalho. “Eu também sou candidato de Bebel e da base do governo municipal”, avisou o deputado, desmentindo a um factoide de que os dois estariam com dificuldades durante a campanha.

O deputado estadual de Lauro de Freitas, Antônio Rosalvo, foi escolhido pelo prefeito Dr. Márcio (coordenador da sua campanha) para representar o município na Assembleia Legislativa. “De fato, o gestor da cidade aderiu a nossa campanha ao lado de outros prefeitos, como por exemplo, o amigo ACM Neto”, disse o parlamentar durante um encontro com lideranças da Região Metropolitana. 

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

CAMPANHA DE ROSALVO 45.333 PARA DEPUTADO ESTADUAL SÓ FAZ CRESCER EM LAURO DE FREITAS




MISS LAURO DE FREITAS 2013 SERÁ A NOVA PANICAT NA BAND

Mariana Gonzalez representou Lauro de Freitas no Miss Bahia 2013
No último domingo, dia 3 de agosto, o “Pânico na Band” exibiu um vídeo contendo algumas imagens da nova Panicat, assistente de palco que será apresentada na próxima edição do programa, que vai ao ar no dia 10.
Mas o que era para aumentar ainda mais o mistério em relação à nova beldade que fará companhia a Emílio Surita e os outros integrantes da atração, acabou servindo para dar pistas sobre quem será a nova Panicat.
mari-gonzalez-pode-ser-a-nova-panicat
Ao analisar o vídeo e comparar as várias tatuagens da moça mostradas na imagem, que são borboletas na região lombar, uma coroa no braço esquerdo e um caminho de flores também na região lombar, o site “CenaPop” informou que se trata da modelo Mari Gonzalez, de 20 anos de idade.
Conforme a publicação, a beldade baiana participou do concurso Miss Bahia 2013 representando o município de Lauro de Freitas, mas atualmente mora e trabalha em São Paulo. Será realmente ela a nova integrante do time de assistentes do “Pânico”, que já conta com Babi Muniz, Carol Dias, Renata Molinaro e Fernanda Lacerda?
A resposta  à questão, se a modelo Mari Gonzalez é mesmo a nova Panicat, será dada no próximo domingo, dia 10 de agosto, com a exibição do “Pânico na Band”, a partir das 21h, na tela da Band.

Leão diz que é mais fácil derrotar a oposição quando ela se encontra unida


Otimista, o vice da chapa do governo, João Leão (PP), em entrevista exclusiva à Tribuna, voltou a reafirmar que a eleição deverá ser decidida em primeiro turno e a favor de Rui Costa (PT), seu colega de chapa. Provocador, o progressista afirmou que a derrota da oposição será maior, mesmo com a união dos nomes de Paulo Souto (DEM) e Geddel Vieira Lima (PMDB) e ainda analisou que o risco, caso saíssem divididos, seria de um possível segundo turno com a candidata Lídice da Mata (PSB). Reconhece a propagação e a imagem que os concorrentes têm, mas argumenta que as idas aos municípios baianos fazem com que os eleitores repensem o voto e adiram ao projeto formatado pela base governista. A tendência, segundo o cacique do PP, é do voto casado com os cerca de 60% dos eleitores que apontaram, por pesquisa, votar na presidente Dilma Rousseff (PT). João Leão diz ainda que “vice é vice” e que ele tem que se conscientizar que ocupará esse posto, caso se eleja junto com Rui Costa. “Eu quero ser um conselheiro de Rui. Quero estar a seu lado para tirar dúvida, para ajudar, não quero ser governador e nem ter tinta em caneta. Essa tinta é do governador. Eu pretendo ajudá-lo e muito”.

MARINA SILVA 40, EXEMPLO DE LUTA E CONQUISTAS

Imagem Biografia

Em quase 30 anos de vida pública, Marina Silva ganhou reconhecimento dentro e fora do país pela defesa da ética, da valorização dos recursos naturais e do desenvolvimento sustentável. Uma reputação construída em mandatos de vereadora, deputada estadual e senadora – eleita sempre com votações recordes – e no período em que esteve à frente do Ministério do Meio Ambiente, entre janeiro de 2003 e maio de 2008.

Nos cinco anos e quatro meses no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou a ser vista também como gestora competente. Na pasta, uma de suas conquistas foi o Plano de Ação para Prevenção e o Controle do Desmatamento da Amazônia Legal, que contou com o esforço integrado de 14 ministérios. Graças ao projeto, o ritmo de desmatamento da Amazônia caiu 57% em apenas três anos, passando de 27 mil km² para 11 mil km² ao ano. Mais de 1.500 empresas ilegais foram desmanteladas, com a prisão de 700 pessoas. A apreensão de madeira somou um milhão de metros cúbicos.

Iniciativas como essa aumentaram sua projeção internacional. No final de 2007, o jornal britânico “The Guardian” incluiu a então ministra entre as 50 pessoas que podem ajudar a salvar o planeta.

Marina aos 17 anos
Marina aos 17 anos, em Rio Branco

Primeiros anos

Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima nasceu em 8 de fevereiro de 1958 em uma pequena comunidade chamada colocação Breu Velho, no Seringal Bagaço, no Acre. Seus pais, nordestinos, tiveram 11 filhos, dos quais três morreram. A mãe morreu quando tinha apenas 15 anos.

A vida no seringal era difícil. “Eu acordava sempre às 4h da manhã, cortava uns gravetos, acendia o fogo, fazia o café e uma salada de banana perriá com ovo. Esse era o nosso café da manhã”, conta. Depoisjunto com as seis irmãs e o único irmão, fazia o corte nas seringueiras e colocava as tigelinhas. No final da tarde, retirava a recompensa, o látex.

Na adolescência, Marina sonhava em ser freira. “Minha avó dizia: ‘Minha filha, freira não pode ser analfabeta’”, lembra. O desejo de aprender a ler passou então a acompanhá-la. Aos 16 anos, contraiu hepatite, a primeira das três que foi acometida _seu histórico de saúde ainda inclui cinco malárias e uma leishmaniose. Foi então a Rio Branco em busca de tratamento médico. Com a permissão do pai, aproveitou a oportunidade para também se dedicar à vida religiosa e, ao mesmo tempo, estudar.

Na capital acriana, para se sustentar, passou a trabalhar como empregada doméstica. O progresso nos estudos foi rápido. Entre o período de Mobral, no qual aprendeu a ler e a escrever, até a graduação em licenciatura em História (Universidade Federal do Acre) transcorreram apenas dez anos. Sua formação foi complementada posteriormente com as pós-graduações em Teoria Psicanalítica (Universidade de Brasília) e em Psicopedagogia (Universidade Católica de Brasília).

A vocação social se revelou quando deixava a adolescência e ainda vivia no convento das Servas de Maria Reparadoras. O então bispo de Rio Branco, dom Moacyr Grecchi, alinhado à Teologia da Libertação, às vezes ia rezar missa no convento onde vivia Marina, que gostava de suas mensagens. A candidata à noviça passou a participar das atividades das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs). Um dia, incentivada por um cartaz afixado na igreja, decidiu fazer um curso de liderança sindical rural, ministrado pelo teólogo Clodovis Boff e pelo líder seringueiro Chico Mendes. Sua dedicação ao curso a aproximou de Chico Mendes, que passou a lhe enviar publicações de sindicatos de trabalhadores rurais. 

Gregório Filho, Chico Mendes e Marina
A vida de Marina havia mudado de rumo. Abandonou o sonho de se tornar freira para se dedicar integralmente à luta social. Cada vez mais próxima de Chico Mendes, participou dos chamados “empates”, tática de resistência contra o desmatamento do qual participavam os seringueiros, suas mulheres, seus filhos, todos os que viviam nos seringais. De mãos dadas, eles faziam uma corrente que impedia a destruição da floresta. Em 1984, Marina Silva ajudou a fundar a CUT (Central Única dos Trabalhadores) no Acre. O líder seringueiro foi o primeiro coordenador da entidade e Marina, a vice-coordenadora. A convivência entre os dois duraria mais quatro anos, até Chico Mendes ser assassinado. 

Parlamento

Filiada ao PT, Marina disputou seu primeiro cargo público em 1986,  ao concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados. Ficou entre os cinco mais votados, mas o partido não atingiu o quociente eleitoral mínimo exigido. Os sucessos eleitorais de Marina começaram dois anos depois, ao se eleger vereadora, a mais votada de Rio Branco. Uma de suas primeiras manifestações foi devolver o dinheiro de gratificações, auxílio-moradia e outras mordomias que os demais vereadores recebiam sem questionamento.

Campanha à Câmara         
Marina na Assembléia Legislativa em 1991












Com atos como esse, atraiu a ira dos adversários políticos ao mesmo tempo em que obtinha um reconhecimento popular que se manifestou na eleição seguinte, em 1990, quando se tornou deputada estadual, novamente com votação recorde. Em 1994, aos 36 anos, chegou a Brasília como a senadora mais jovem da história da República. Foi reeleita em 2002, com votação quase três vezes superior à anterior.




Discurso no Senado

Marina durante campanha para o Senado, em 1994















No Senado, foi a primeira voz a defender a importância de o governo assumir metas para redução das emissões de gases do efeito estufa. Em 2009, o Planalto anunciou, finalmente, a adoção dessas metas. Também cobrou do Executivo federal e do Congresso a inclusão da meta brasileira, com os percentuais para a redução das emissões de gases do efeito estufa até 2020, no Plano Nacional de Mudanças Climáticas, que seria aprovado e sancionado pelo presidente antes da realização da Conferência de Clima (COP15), em dezembro de 2009, em Copenhague.

Ministério

No Ministério do Meio Ambiente, Marina Silva trabalhou por políticas estruturantes baseadas em quatro diretrizes básicas: 1) maior participação e controle social; 2) fortalecimento do sistema nacional de meio ambiente; 3) transversalidade nas ações de governo; 4) promoção do desenvolvimento sustentável.

No governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marina buscou transformar a questão ambiental em uma política de governo, que quebrasse o tradicional isolamento da área. Foi assim que o governo passou a exigir, nos projetos hidrelétricos a serem leiloados, a obtenção da licença prévia para que a viabilidade ambiental dos empreendimentos fosse avaliada antes da concessão para a exploração privada. Também baseado nessa diretriz, o ministério, por intermédio do Ibama, passou a ser ouvido prioritariamente antes da licitação dos blocos de petróleo.

Em 13 de maio de 2008, pediu demissão do ministério. Em carta ao presidente Lula, afirmou que deixava o cargo por conta das dificuldades que enfrentava dentro do governo. “Esta difícil decisão, Sr. Presidente, decorre das dificuldades que tenho enfrentado há algum tempo para dar prosseguimento à agenda ambiental federal”, afirmava Marina, que voltou para o Senado.

    Marina dá entrevista após anunciar saída do PT
Em 19 de agosto de 2009, deixou o PT. Em comunicado ao partido, manifestou seu desacordo com uma “concepção do desenvolvimento centrada no crescimento material a qualquer custo, com ganhos exacerbados para poucos e resultados perversos para a maioria, ao custo, principalmente para os mais pobres, da destruição de recursos naturais e da qualidade de vida”. Onze dias depois, anunciou sua filiação ao Partido Verde (PV). 

Candidatura à Presidência

Em 2010, Marina Silva disputou a Presidência da República pelo PV, chapa que contava com o empresário Guilherme Leal como candidato a vice. O objetivo de sua candidatura era promover um acordo social no Brasil que integrasse avanços dos governos passados e apontasse para uma economia de baixo carbono (leia o discurso de Marina na convenção do PV que oficializou sua candidatura).

A candidata se comprometia a manter as conquistas dos governos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, entre elas a estabilização econômica e a redução da pobreza, e prometia governar junto com os “núcleos vivos” da sociedade em defesa do desenvolvimento sustentável. Entre suas propostas estavam os programas sociais de terceira geração. Segundo essa diretriz, uma rede de agentes de desenvolvimento familiar teria a responsabilidade de levar programas sociais às famílias mais pobres e dar apoio a suas escolhas, o que facilitaria a inclusão produtiva desses brasileiros na sociedade.

Ao lado de correligionários, Marina acompanha apuração em 2010 

Marina sabia das dificuldades de sua candidatura. Entre elas o fato de contar com apenas 1 minuto e 23 segundos na propaganda eleitoral gratuita na televisão, muito menos do que seus principais adversários. Para superar essa limitação, decidiu privilegiar a internet e as redes sociais, uma estratégia inédita no Brasil. A decisão foi fundamental para a divulgação de suas propostas e a conquista de 19,6 milhões de votos, quase 20% dos votos válidos. Foi o melhor desempenho de um terceiro colocado desde a redemocratização do país. 

Rede Sustentabilidade

Nos meses seguintes, Marina e outras lideranças dentro PV enfrentavam dificuldades para ampliar o espaço de discussão dentro do partido. A direção da legenda resistia a democratizar suas práticas e a renovar seus dirigentes por meio de eleições, compromisso que havia assumido em 2009.

Em 7 de julho de 2011, a ex-senadora anunciou sua saída do PV. "Queremos resgatar as motivações originais deste projeto, agora participando da construção de uma nova política efetivamente democrática, ética, ecológica, participativa, inovadora e conectada com os desafios e oportunidades que o século 21 nos impõe", afirmava, junto com outras 15 lideranças, na carta de desfiliação enviada à direção do partido. 

Era então lançado o Movimento por uma Nova Política, um espaço colaborativo, suprapartidário, que discutiria caminhos para a superação das carências de representatividade do sistema político brasileiro e a construção de um modelo no qual economia e preservação dos recursos naturais integrassem a mesma equação. 

O resultado desses debates foi o surgimento da Rede Sustentabilidade, lançada em 16 de fevereiro de 2013, durante evento que reuniu 1.700 pessoas em Brasília.  Nos meses seguintes, cerca de 10 mil pessoas saíram às ruas em todo o país para coletar as 492 mil assinaturas exigidas por lei para a oficialização do novo partido.

Lançamento da Rede Sustentabilidade em 16 de fevereiro de 2013
Essa meta foi largamente superada, com a obtenção de 910 mil apoios em todos os Estados. Depois de uma rigorosa checagem interna, 660 mil assinaturas foram encaminhadas aos cartórios. Mas uma série de problemas impediu a formalização da Rede. Um deles foi a recusa de 95 mil fichas sem qualquer justificativa, o que contraria a legislação. Além disso, causou estranheza o comportamento de alguns cartórios, principalmente na região do ABCD paulista. Em São Bernardo do Campo, uma zona eleitoral chegou a invalidar 78% das fichas de apoio, bem acima da média nacional de rejeição, que foi de 24%.

Apesar da confiança de todos da Rede de que a Justiça iria prevalecer sobre as dificuldades burocráticas e institucionais, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na noite de 3 de outubro não aprovar a criação do novo partido, considerando que apenas 442 mil assinaturas teriam a comprovação confirmada.

Na mesma noite, Marina se reuniu com alguns fundadores da Rede e colaboradores mais próximos. Colocou em discussão alternativas para que a contribuição da Rede ao aprofundamento da democracia no Brasil não fosse adiada. Ao final daquela madrugada, Marina apresentou uma proposta que surpreendeu seus interlocutores. Perguntou o que achavam da possibilidade de uma coligação programática com o PSB, feita em torno das bandeiras principais dos dois partidos. Depois do estranhamento inicial da maioria dos presentes, a ideia ganhou apoio e foi levada, no dia seguinte, para as lideranças da Rede Sustentabilidade e do PSB.

Depois de muitas reuniões, Marina e o governador Eduardo Campos, presidente do PSB, anunciaram ao país uma aliança “para aprofundar a democracia e construir as bases para um ciclo duradouro de desenvolvimento sustentável”, segundo a nota divulgada durante o evento realizado sábado (5) em Brasília.

Integrantes da Rede fariam uma filiação democrática e provisória ao PSB, que reconheceria a integridade e identidade da Rede. Ao mesmo tempo, a Rede continuaria a buscar as assinaturas exigidas pela Justiça Eleitoral e a conseguir o registro definitivo, pois, apesar de ser “um partido de fato, não é de direito”, nas palavras de Marina Silva.

O anúncio da aliança surpreendeu o país, trouxe o desenvolvimento sustentável ao centro do debate político e inaugurou um novo capítulo da democracia brasileira.

Reconhecimento internacional

A lista de prêmios e reconhecimentos nacionais e internacionais mostra a expressão internacional conquistada pela ex-senadora. Além de ser incluída na lista do jornal “The Guardian”, conquistou o “2007 Champions of the Earth”, o principal prêmio da ONU na área ambiental. Em outubro de 2008, recebeu das mãos do príncipe Philip da Inglaterra, no palácio de Saint James, em Londres, a medalha Duque de Edimburgo, em reconhecimento à sua trajetória e luta em defesa da Amazônia brasileira – o prêmio mais importante concedido pela Rede WWF. Em 2009, recebeu o prêmio Sophie da Sophie Foundation, concedido a pessoas e organizações que se destacam nas áreas ambientais e do desenvolvimento sustentável, em Oslo, Noruega.

    O príncipe Albert 2º entrega prêmio a Marina
Também em 2009, recebeu da Fundação Príncipe Albert 2º de Mônaco o Prêmio sobre Mudança Climática (Climate Change Award), em reconhecimento à sua contribuição para projetos na área do meio ambiente, ações e iniciativas conduzidas sob a ótica do desenvolvimento sustentável.

Desde março de 2011, a ex-senadora é a única representante da América Latina no Millennium Development Goals (MDG) Advocacy Group, organismo voltado para trabalhar com o secretário-geral da ONU Ban Ki-moon na articulação de uma vontade política e mobilização global para que os Objetivos do Milênio sejam realizados até 2015, em benefício dos pobres e vulneráveis.

Em 27 de julho de 2012, Marina carregou a bandeira olímpica na abertura dos Jogos Olímpicos de Londres, junto com Ban Ki-moon, o maestro argentino Daniel Barenboim e ganhadores do prêmio Nobel. A escolha de seu nome, segundo o Comitê Olímpico Internacional, ocorreu em razão de sua importância na defesa do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável. 


 Uma das melhores fontes para se conhecer a vida de Marina Silva é o livro “Marina – A Vida por uma Causa” (Ed. Mundo Cristão), biografia da ex-senadora lançada em 2010 pela jornalista Marília de Camargo César, com prefácio do cineasta Fernando Meirelles.